sábado, 31 de janeiro de 2015

Oração oficial da CF 2015

Tema:“Fraternidade: Igreja e Sociedade” 
Lema: “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45)

Ó Pai, Alegria e esperança de vosso povo,
vós conduzis a Igreja, servidora da vida,
nos caminhos da história.

A exemplo de Jesus Cristo
e ouvindo sua palavra
que chama à conversão,
seja vossa igreja testemunha viva de fraternidade
e de liberdade, de justiça e de paz.

Enviai o vosso Espírito da verdade
para que a sociedade se abra
à aurora de um mundo justo e solidário,
sinal do Reino que há de vir.

Por Cristo Senhor nosso.

Amém!

Fonte: CNBB

Campanha da Fraternidade 2015

Tema:“Fraternidade: Igreja e Sociedade” 
Lema: “Eu vim para servir” (cf. Mc 10,45)

Igreja e Sociedade - CF 2015
Ojetivos desta Campanha da Fraternidade: 2015 CNBB

01 - Aprofundar, à luz do Evangelho, o diálogo e a colaboração entre a Igreja e a sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II, como serviço ao povo brasileiro, para a edificação do Reino de Deus.

Objetivos específicos da CF - 2015 CNBB

01 - Fazer memória do caminho percorrido pela Igreja com a sociedade, identificar e compreender os principais desafios da situação atual.

02 - Apresentar os valores espirituais do Reino de Deus e da doutrina Social da Igreja, como elementos autenticamente humanizastes.

03 - Identificar as questões desafiadoras na evangelização da sociedade e estabelecer parâmetros e indicadores para a ação pastoral.

04 - Aprofundar a compreensão da dignidade da pessoa, da integridade da criação, da cultura da paz, do espírito e do diálogo inter-religioso e intercultural, para superar as relações desumanas e violentas.

05 - Buscar novos métodos, atitudes e linguagens na missão da Igreja de Cristo de levar a Boa Nova a cada pessoa, família e sociedade.

06 - Atuar profeticamente, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para o desenvolvimento integral da pessoa e na construção de uma sociedade justa e solidária. Fonte:

Fonte: CNBB

Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma de 2015

« Fortalecei os vossos corações» (Tg5,8)

Amados irmãos e irmãs!

Tempo de renovação para a Igreja, para as comunidades e para cada um dos fiéis, a Quaresma é  sobretudo um « tempo favorável » de graça (cf. 2 Cor 6,2). 
Deus nada nos pede, que antes não no-lo  tenha dado: « Nós amamos, porque Ele nos amou  primeiro »  (1 Jo4,19). 
Ele não nos olha com indiferença; pelo contrário, tem a peito cada um de nós,  conhece-nos pelo nome, cuida de nós e vai à nossa  procura, quando O deixamos. Interessa-Se por cada  um de nós; o seu amor impede-Lhe de ficar indiferente perante aquilo que nos acontece. Coisa diversa se passa conosco! 
Quando estamos bem e comodamente instalados, esquecemo-nos certamente dos outros (isto, Deus Pai nunca o faz!), não nos  interessam os seus problemas, nem as tribulações  e injustiças que sofrem; e, assim, o nosso coração  cai na indiferença: encontrando-me relativamente  bem e confortável, esqueço-me dos que não estão  bem! Hoje, esta atitude egoísta de indiferença atingiu uma dimensão mundial tal que podemos falar de uma globalização da indiferença. Trata-se de um  mal-estar que temos obrigação, como cristãos, de  enfrentar. Continuar lendo.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Creio do chamado



- Creio que Deus nos escolheu antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele no amor (Ef 1,4).

= Creio que aquele que nos escolheu desde o seio materno nos chamou por sua graça e houve por bem revelar em nós o seu filho para que o anunciássemos (Gl 1,15-16).

- Creio que Deus nos salvou e nos chamou com uma vocação santa, não em virtude de nossas obras, mas em virtude do seu próprio desígnio e graça, que nos foi dado em Cristo Jesus, desde a eternidade (2Tm 1,9).

= Creio que Cristo Jesus nos julgou dignos de confiança tomando-nos para o seu serviço. (1Tm 1,12)

- Creio sermos apóstolos por vocação, servos de Cristo Jesus, escolhidos para anunciar o Evangelho de Deus (Rm 1,1).

= Creio que Deus escolheu o que é loucura para o mundo para confundir os sábios, afim de que a nossa fé não se baseie na sabedoria humana, mas sobre o poder de Deus (1Cor 1,27; 2,5).

- Creio que devemos comportar-nos de uma maneira digna da vocação a que fomos chamados com toda a humildade, mansidão e paciência, procurando crescer em tudo em direção a ele (Ef 4,1-2).

= Creio naquele que é poderoso para realizar por nós em tudo infinitamente além do que pedimos ou pensamos, segundo o poder que já opera em nós (Ef 3,20)


Todos - Cremos e temos plena certeza de que aquele que começou em nós a boa obra há de levá-la à perfeição até o dia de Jesus Cristo, porque aquele que nos chamou é fiel (Fl 1,6; 1Ts 5,24).