quarta-feira, 27 de maio de 2015

Medir o nosso grau de felicidade


Tome seu papel e vamos responder as questões para medir nosso grau de felicidade.

1 - Sente prazer em estar rodeado/a de outras pessoas?  Sim  ou Não?

2 - Acredita que pode encontrar boas qualidades em cada uma das pessoas que conhece? Sim ou não?

3 - Você gosta de seu aspecto físico?    Sim ou Não?

4 - Tem bons amigos em quem confiar?  Sim ou Não?

5 - Relaciona-se bem com seus familiares?  Sim ou Não?

6 - Dorme bem e acorda descansado/a  Sim ou Não?

7 - Sente que pode encarar os problemas   Sim ou Não?

8 - Pode pensar em cinco coisas agradáveis sobre você mesmo/a ?  Sim ou Não?

9 - Às vezes, você canta ou dança em sua casa ou no carro?   Sim ou Não?

10 - Você tem objetivos na vida ? Sim ou Não?

11 - Você pensa que, algum dia, terá oportunidade de alcançar suas metas?   Sim ou Não?

12 - Às vezes, ao contemplar apenar um entardecer, ou o mar, e fica alegre?  Sim ou Não?

13 - Há um milhão de coisas que você gostaria de fazer?   Sim ou Não?



Queremos que todos sejam pessoas felizes.
Vamos ver a resposta do nosso teste.

Respondendo, conforme você assinalou “sim” ou “não”, podemos adiantar que seu grau de satisfação com a vida está relacionado à quantidade de situações marcadas como positivas.

Veja, se suas respostas afirmativas estiverem entre 1 e 5, você tem um baixo grau “biológico de felicidade”. Ou seja, nesse momento, você é uma das pessoas para as quais a desventura é muito mais natural que a felicidade e, na maior parte do tempo, se consideram mais infelizes que felizes.

Se a sua pontuação estiver entre 6 e 9, você possui um grau médio de felicidade.

Se suas respostas positivas ultrapassaram os 10 pontos pode se considerar uma pessoa feliz, apesar dos momentos de dificuldades.

Mas, você poderá perguntar: De que depende a felicidade?

A maioria das pessoas tende a explicar a felicidade ou infelicidade como se fosse causada por circunstâncias externas a elas. Atribuem a fonte da felicidade às coisas positivas que lhes ocorrem ( por exemplo, “vou viajar”, “comprei um carro”; e sua infelicidade às negativas ( por exemplo: “fui despedido”, “o carro enguiçou”. Veja, desta forma aceitam o que lhes acontece como determinantes de sua felicidade ou infelicidade.

Você mesmo pode perguntar a várias pessoas como se sentem e a que atribuem isso. 

Certamente, 90% citarão circunstâncias externas como: “sou feliz porque meu marido é maravilhoso”, “porque tenho sorte”; ou, “sou infeliz porque me casei com a pessoa errada”; “porque a vida foi injusta comigo”.

No entanto, a questão fundamental é esta: 
a felicidade tem mais relação com nossas atitudes que com qualquer motivo externo. Uma pessoa feliz não é alguém com determinada série de circunstância, mas sim com determinada série de atitudes.


E pode-se aprender a ser feliz? 

(extraído do livro "Ser Feliz! A decisão é sua - Reconheça a felicidade a partir das próprias atitudes - Maria Mercedes P. de Beltrán - Paulinas Editora) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário