terça-feira, 1 de abril de 2014

Poema à Virgem
Escrito pelo Padre José de Anchieta nas areias da Praia de Iperoig, em Ubatuba. 
 
3. Olha como está prostrado diante da Face do PAI, 
Todo o suor de sangue do seu corpo se esvai. 
Olha a multidão se comporta como ELE se ladrão fosse, 
Pisam-NO e amarram as mãos presas ao pescoço. 
 
4. Olha, diante de Anás, como um cruel soldado 
O esbofeteia forte, com punho bem cerrado. 
Vê como diante Caifás, em humildes meneios, 
Aguenta mil opróbrios, socos e escarros feios. 
 
5. Não afasta o rosto ao que bate, e do perverso 
Que arranca Sua barba com golpes violento. 
Olha com que chicote o carrasco sombrio 
Dilacera do SENHOR a meiga carne a frio. 
 
6. Olha como lhe rasgou a sagrada cabeça os espinhos, 
E o sangue corre pela Face pura e bela. 
Pois não vês que seu corpo, grosseiramente ferido 
Mal susterá ao ombro o desumano peso? 
 
7. Vê como os carrascos pregaram no lenho 
As inocentes mãos atravessadas por cravos.  
Olha como na Cruz o algoz cruel prega 
Os inocentes pés o cravo atravessa. 
 
8. Eis o SENHOR, grosseiramente dilacerado pendurado no tronco, 
Pagando com Teu Divino Sangue o antigo crime! 
(Pecado Original cometido pelos primeiros pais) 
Vê: quão grande e funesta ferida transpassa o peito, aberto 
Donde corre mistura de sangue e água. 
 
9. Se o não sabes, a Mãe dolorosa reclama 
Para si, as chagas que vê suportar o FILHO que ama. 
Pois quanto sofreu aquele corpo inocente em reparação, 
Tanto suporta o Coração compassivo da Mãe, em expiação. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário