terça-feira, 1 de novembro de 2011

Seguidores dos Passos de Paulo...

No dia 31 de Outubro de 2011, fechando o mês Missionário, o programa Nos Passos de Paulo recebeu os Padres Servos da Caridade, mais conhecidos como Guanellianos, Elisandro Iserhard da Silva e Tiago Boufleur, que partilharam com nossos ouvintes um pouco da vida de São Luís Guanella, fundador da Família Guanelliana, Canonizado a pouco pelo Papa Bento XVI.
(São Luís Guanella - Fundador da Família Guanelliana)
A seguir você poderá conferir o texto: Paulo de Tarso nos escrito de São Luís Guanella, não Perca!
Diz à Constituição dos Servos da Caridade: "Ao redor do seu servo, Padre Luís Guanella, o Senhor fez surgir uma grande Família, composta pelos Servos da Caridade, Filhas de Santa Maria da Providência e os Cooperadores Guanellianos. Cada um, em suas modalidades diversas e em recíproca colaboração, participa do Espírito e da Missão do Fundador e compartilha a responsabilidade."  Const. 05
Paulo de Tarso nos escritos de São Luis Guanella
São Luis Guanella não escreveu muita coisa especificamente sobre São Paulo, nada de discursos exegéticos ou teológicos sobre São Paulo, também porque ele era um homem mais prático, mais da ação e menos especulativo.
Ele não foi um teólogo, mas um homem da caridade. Porém, os escritos dele estão repletos de citações de São Paulo, o que dá a entender de que ele tinha um bom conhecimento dos escritos de São Paulo.
Porém em alguns escritos morais e ascéticos ele propõe a figura de São Paulo como modelo para os cristãos:
1. Como exemplo de humildade e de quem sabe perdoar diz:
“Olhem para São Paulo. Ele declara que enquanto viver quer ouvir falar somente de Jesus Cristo e que não quer amar nada além do salvador crucificado. Aos hebreus que o perseguem acusando-o de traidor ele responde com bondade. Aos gentios que o ridicularizam chamando-o de louco mostra o Evangelho de Jesus Cristo. Quando é espancado ele por isso louva a Deus e reza por aqueles que o atormentam”.

2. Como exemplo de amor a Cristo:
“Olhem para São Paulo. Ele por amor a Jesus renunciou à estima mundana e mereceu que Jesus o recebesse na intimidade dos mistérios mais secretos do seu coração adorável. Escutai como mais tarde pôde falar o apóstolo: Não sou eu  eu vivo, mas é Cristo que vive em mim”
3. Comentando 2 Cor 5, 14: A caridade de Cristo nos impele, diz:
“Paulo queria mostrar com isso que por quanto tivesse ele se consumado em obras de misericórdia por amor a Cristo, teria sempre feito pouco. E tu meu irmão, vês como São Paulo acreditava de ter um coração pequeno para oferecer a Jesus Cristo. Pergunta-te então, que coração tenho eu no meu peito?”
4. Comentando 2 Cor 12, 9: De bom grado me gloriarei das minhas fraquezas, para que a força de Cristo habite em mim, diz:
“Paulo sofreu tanto por parte dos homens: prisões, pedradas, perseguições... Experimentava também em si os impulsos da concupiscência e muitas angústias. Mas ele mostrava a Deus as suas misérias e dizia: O Senhor que é bondoso terá misericórdia de mim. Ah se também nós imitássemos isso!”
Pe. Tiago Boufleur, SdC 

Nenhum comentário:

Postar um comentário